domingo, 20 de dezembro de 2009

Educar é contar histórias!

Gente..., Educação é um processo que precisa ser atualizado, precisamos de uma Revolução Educacional não só no Brasil, mas no Mundo!

As escolas de hoje, mesmo as que buscam a tecnologia para provocar estímulos multimidiáticos nos alunos, ainda não focaram e centraram no aluno e sim no vestibular, falta ainda uma escola que promova o desenvolvimento da pessoa para a vida, para o trabalho...
(foto: ilustração "O Alienista" de Machado de Assis/HQ)

As escolas técnicas parecem ser as mais honestas, seus educadores são todos vividos no que ensinam, contam a história que praticam, assim cativam, entusiasmam pela proposta de formarem desde o início para algo prático, produtivo, ensinam a pescar..., dão as chaves da sociedade do trabalho, aula que entusiasma pela vivência, pela possibilidade de os saberes do aprendiz serem valorizados e usados...


Pois é, está faltando bons contadores de histórias nas escolas, nas empresas e nas universidades!
E não é por falta de inspiração! A literatura e a música brasileira sempre foram presenteadas, até hoje se destacam com grandes nomes na contação textual e musicada de incríveis narrativas, hoje viram filmes e novelas, como contos de Machado de Assis, Eça de Queiros, Monteiro Lobato, Érico Veríssimo, Clarice Lispector, Adoniram Barbosa, Cartola, Rubem Alves, Contardo Caligaris, Ruth Rocha e tantos outros para não esquecer de ninguém...

Temos ainda mais professores profissionais, do que profissionais educadores, que seria o ideal, segundo o mais contemporâneo, polêmico e atual filósofo da educação brasileira, o renomado e conhecido filósofo e economista, consultor em educação, Cláudio de Moura Castro.

Vale a pena conferir o CD Contos de Todos os Cantos de Giba Pedrosa e Renata Mattar, pelo Selo Pôr do Som.

Pesquisem também sobre Regina Machado, João Acaiab, Simone Grande, Meninas do Conto e tantos outros contadores de histórias e por Cesar Tadeu Obeid, que segue no estilo de Cordel, ele tem diversas obras de contos em cordel, confiram!!!

Assim vamos com um pouquinho de história...

Era uma vez um par de sapatos, Nicolau e Tina, par direito e esquerdo, lado a lado, bem pertinho um do outro moravam em uma caixa de sapatos... um dia foram levados para uma loja, assustados, logo se acostumaram, todos olhavam o par na vitrine, achavam lindos, mas caros! Românticos, se adoravam! Certa vez uma mulher os viu, comprou e levou, mas mal sabia que iria ter um problemão, pois eles não queriam ficar caminhando nesta vida desunidos; assim que a dona os calçou e saiu foi logo tropeçando, sem entender nada, pois os sapatinhos queriam se ver, os dias se passaram..., cobinaram de se beijar a cada passo, ponta de um pé com o calcanhar do outro, mas no dia seguinte a dona ao sair tropeçou novamente, era um beijo e um tombo..., ela acabou indo ao médico para saber o que acontecia com seus pés...o médico interessado no valor da cunsulta disse que era grave, se não melhorasse teria que cortar os pés dela...desesperada insistiu, mas os sapatos tentaram evitar e repensaram em dar uma paradinha para se beijarem, ponta com ponta de pé, mas deram 32 beijos e a dona 32 tropeções, nada resolvia...a dona deles acabou por descartartá-los suspeitando terem dado azar, antes disso, os apatinhos sabendo do que iria acontecer, combinaram de se amarrarem um no outro pelos cadarços, bem juntinhos, para não separarem-se e envelhecerem juntos (como muitos que vomos por ai nos fios de postes), e assim ocorreu, foram parar numa beira de rio e lá ficaram...Nicolau foi ficando desgastado e Tina também, a sola já estava gasta e o tempo passou...mas, ninguém mais os separou...quando foram vistos por duas crianças na beira do rio, elas logo notaram que eram "casados" exclamou a menina e disse que deveriam acabar juntinhos, assim fizeram uma jangadinha para os sapatinhos e o par lá se foi em "lua de mel" para envelhecerem juntos, como sempre quiseram...sempre seremos um par, custe o que custar, foi o que eles disseram!Giba Pedrosa - adaptado

Nenhum comentário:

Postar um comentário